18 de janeiro de 2005

O Filhodaputismo : Ontem, hoje e amanhã

Kirk Douglas teria dito uma vez, “Não é necessário ser um bom sujeito para ser talentoso, Stanley Kubrick, por exemplo, é um filho-da-puta talentoso”.

Este é apenas um exemplo, mas se pararmos para pensar, geralmente os filhos-da-puta são sempre as pessoas mais bem sucedidas do mundo. A maioria das pessoas acham que isso ocorre porque filhos-da-puta não tem escrúpulos e sempre passam por cima das pessoas para conseguirem o que querem, mas não creio que este seja o verdadeiro motivo.

Para compreendermos as verdadeiras razões que levam os filhos-da-puta ao sucesso, devemos analisar as raízes do filhodaputismo na sociedade cristã-ocidental.

Não posso dizer ao certo quando surgiram as primeiras putas da história, mas todos dizem que esta é a profissão mais antiga do mundo. Por isso, temos que voltar aos princípios - a aurora da humanidade (Se você não consegue imaginar como era a aurora da humanidade, alugue “2001- Uma odisséia no espaço” e assista somente aos 20 minutos iniciais). Nesta época deveriam existir os homens que eram encarregados de caçar para a tribo, os guerreiros, as donas de casa e é claro, as putas. As putas eram no caso, as únicas fêmeas que tinham que sair de suas cavernas, pois precisavam procurar a sua clientela. Então os filhos das putas (aqui ainda não se usava o hífen) ficavam constantemente à mercê de todos. Imaginem que para estes pobres indíviduos as leis da seleção natural sempre foram intensificadas. Desta forma, os filhos das putas que conseguiam sobreviver se tornavam naturalmente os elementos mais fortes e mais inteligentes de suas tribos.

Apesar de descenderem daqueles filhos das putas longínquos, os filhos-da-puta atuais não são necessariamente filhos de putas. Porém, identificá-los não se tornou mais difícil por causa disto. Eles são nossos governantes, os detentores dos meios de produção, comem as melhores mulheres (os cafajestes são uma subpopulação derivada dos filhos-da-puta) e na maioria das vezes são extremamente talentosos.

Esta é outra vantagem de ser filho-da-puta, se você for realmente bom em alguma coisa, as pessoas te acham um gênio e você ganha uma espécie de isenção para fazer qualquer tipo de merda. “Aquele cara é mó filho-da-puta!”. “Não liga não, ele é só meio excêntrico.”

É claro que tem muito pseudo filho-da-puta por aí. Não passam de um bando de posers. Estes caras normalmente não valem nada, pois além de agirem como perfeitos filhos-da-puta, não conseguem atingir o grau de excelência dos verdadeiros. Aliás passam longe disto. Na maioria das vezes estes posers são uns merdas completos na vida e ficam se portando desta maneira achando que vão conseguir alguma buceta. Para estes infelizes resta apenas uma vida de frustrações, que são descontadas quase que semanalmente através de seus blogs patéticos.

16 de janeiro de 2005

Romeu e Julieta


“Toda forma de amor é válida e maravilhosa.”. Este provavelmente é o lema da maioria dos homossexuais e pedófilos que existem por aí.

Romeu Ebenezer dos Santos se encaixava na segunda categoria e tinha orgulho disto. Ao contrário dos seus colegas de escola, que expressavam seus desejos de se tornarem bombeiros, médicos ou advogados, Romeu sempre ambicionou ser um pedófilo. Não sabia explicar o porquê, achava que devia ser uma coisa meio kármica, pois desde a primeira vez que ouviu o som da palavra “pedófilo” ele já sabia que o seu destino estava traçado.

Um dia finalmente conseguiu adquirir todos os pré-requisitos para se tornar o pedófilo que sempre havia almejado ser. Passou a rondar as escolas primárias de sua cidade. E foi então que a viu pela primeira vez.

Julieta Van Gelsen tinha 12 anos na época e era uma coisa linda. Era branquinha e tão miúda que parecia até um iPod Shuffle. Foi amor à primeira vista. Romeu comprou um pirulito para ela e a levou até um parquinho, onde se amaram pela primeira vez.

Mas esta não seria uma história de amor completa se nossos amantes não tivessem que passar por adversidades. Romeu sentia-se esmagado por olhares de repugnância toda vez que andava de mãos dadas com sua amada. Não é preciso dizer (mas vamos dizer assim mesmo) que os pais de Julieta quase vomitaram quando ela apresentou aquele que era seu “primeiro namoradinho”. Romeu praticamenfe foi expulso a tiros da casa dos Van Gelsen.

Desolado, não conseguia compreender o motivo de tamanha discriminação. Olhou-se no espelho e viu a imagem de um homem bem apessoado no alto de seus 45 anos. Não era japonês, Nerd e muito menos biomédico. Por que não podia amar como todas as outras pessoas? Por que?

Julieta também parecia não entender o que estava acontecendo. Em um gesto típico de rebeldia pré-adolescente, tomou um frasco de veneno e entrou em coma.

Ao saber do infortúnio de sua amada, Romeu se desesperou. Queria fazer o mesmo que ela, mas era muito covarde. Apesar de ser persona non grata pela família de Julieta, todos os dias ia ao hospital portando um buquê de rosas brancas. Conversava com Julieta, apesar de não ter certeza se ela podia ouvir suas palavras. E as tais palavras que saíam de sua boca eram quase sempre juras de amor eterno. Um amor eterno, apesar de tudo.

A eternidade durou seis anos. No dia do seu aniversário de 18 anos, Julieta recebeu a visita rotineira de Romeu. Foi aí que ele percebeu que aquela figura deitada inerte na sua frente não emitia mais aquele brilho dos velhos tempos. Nunca mais voltou a visitá-la.

E assim termina a história de amor de Romeu Ebenezer dos Santos e Julieta Van Gelsen. Porém, é apenas o começo da história de amor entre Romeu Ebenezer dos Santos e Adriana Castanedas. Adriana era uma coisinha lindinha, 13 anos, pequenininha, parecia uma Scarlett Johansson em miniatura...

6 de janeiro de 2005

Gozando com o dos outros

Sinceramente, me incomoda essa obsessão do brasileiro com o brasileiro.

Ok, morreram 150 mil pessoas por enquanto. É gente pracaralho e notícia o suficiente, então pra que se fazer uma contagem regressiva do número de brasileiros encontrados? Tirando a família e os mais chegados - que certamente não ficam monitorando o aparecimento dos seus através do jornal - não consigo pensar em ninguém que tire algum proveito dessa notícia.

Então pra que essa gana de se falar de brasileiro, de querer nos meter no meio da história que não nos é. Tentaram o mesmo com WTC e a bomba da Espanha, vamos aceitar que a tragédia não é nossa e creditá-la a quem de direito da próxima vez, que tal?

Sei que tá todo mundo ansiosinho, mas nossa vez há de chegar, é só ter um pouco paciência porque na listinha de Deus nós somos os últimos, vocês já devem saber.

1 de janeiro de 2005

E em 2005...

Em 2005, impulsionado pelo estado avançado de sua demência, o Papa irá declarar via satélite que não há nada de errado com o suicídio. Pelo contrário, segundo o velho decrépito, o suicídio será considerado pela igreja católica como uma forma bastante saudável e higiênica de morrer.

A partir daí, suicídios em massa ocorrerão pelos 4 cantos do mundo. Milhares de usuários de iPods irão tirar a própria vida, pois vão se dar conta que esta merda fabricada pela Apple tem uma bateria insubstituível que só dura 18 meses.

Por volta de maio, o mundo será assolado por outra onda de suicídios coletivos. Desta vez, milhões de Nerds pularão do alto de colinas como lemingues. Tudo por culpa do Sr. George Lucas, que irá destruir de uma vez por todas a mitologia de Star wars com mais um filme ridículo desta nova trilogia.

Com a proximidade do verão, milhões de pessoas abreviarão sua própria existência. Isto porque não conseguiram entrar em forma, mesmo adquirindo o novíssimo AB shaper versão 2.05 beta, testado e aprovado pela Xuxa e vendido pela Polishop.

O ano de 2005 se encerrará e no primeiro dia de 2006, impulsionado pelo estado avançado de sua demência, o Papa irá declarar via satélite que suicídio é uma coisa muito ruim, pois somente Deus pode decidir certas coisas. No entanto, ele afirmará que não há nada de errado com a pedofilia. Pelo contrário, a pedofilia será considerada pela igreja católica como uma forma bastante saudável e higiênica de se satisfazer.